Passe de saúde

cidadãos e advogados,
uma aliança europeia

Assine a petição Transparência da vacina Covid-19
235.806
signatários
+ 1869 em 24h

Petição
Transparência da vacina Covid-19


NÓS, cidadãos conscientes e informados - já tendo visto vários escândalos provocados pela Big Pharma - pretendemos relembrar alguns princípios simples e indiscutíveis, com o objetivo de promover o interesse de todos na face da Covid- 19.

A urgência do combate ao coronavírus não justifica todas as isenções. A necessidade de reviver a máquina econômica não deve expor a população a efeitos colaterais indeterminados ou benefícios incertos, que só podem ser verificados por meio da transparência dos dados.

A tentação das autoridades de criar uma obrigação de vacinação, mesmo através de um passaporte de vacinação, não deve sobrepor-se às liberdades públicas. O sigilo - alegadamente empresarial - e a opacidade das decisões tomadas por autoridades distantes são fontes de questionamentos legítimos e verificações necessárias.

Diante de uma relação risco-benefício incerta, não há dúvida de oferecer aos fabricantes de vacinas impunidade absoluta. A transparência requer acesso direto aos dados para verificar a validade das decisões tomadas. Nossas vozes estão se levantando para exigir que as autoridades europeias prestem contas.

É necessário dar aos cidadãos e aos deputados europeus acesso:

  • Para todos os arquivos de autorização de comercialização conhecidos como AMM (condicional) para vacinas, arquivados em particular com a Agência Europeia de Medicamentos (EMA);
  • Contratos de compra de vacinas entre a Comissão Europeia e os principais fabricantes de vacinas;
  • Os privilégios concedidos aos fabricantes de ver sua responsabilidade assumida pela comunidade se seus produtos apresentarem defeito.

Não somos cobaias. Com nossas famílias, somos os primeiros a ser afetados. Nós exigimos que todos esses elementos sejam tornados públicos. Na ausência da Comissão Europeia jogando o jogo da transparência, nós nos reservamos o direito de tomar medidas legais coletivas a fim de obter as informações necessárias.

Como cidadãos que assinaram esta petição, também nos reservamos o direito tomar medidas legais coletiva, a fim de ser protegido contra a obrigatoriedade da vacinação e em particular contra o estabelecimento de um “Saúde passar” condicionar o exercício de nossas liberdades fundamentais para comprovar a vacinação da Covid-19.

O projeto “Transparência da vacina Covid-19

Da petição à iniciativa de cidadania europeia
por meio de ação coletiva

  • Pedido amigável

    50.000 signatários

    Reunir-se e contar para pesar sobre os tomadores de decisão, libertando-os do jugo dos lobbies. Expulse a política do medo e substitua-a pela política da confiança.

    De 50.000 peticionários, será iniciado um pedido amigável de comunicação de documentos. O objetivo será obter arquivos de autorização de comercialização condicional (MA) para vacinas, bem como contratos completos com fabricantes (Pfizer, Moderna, AstraZeneca, Johnson

  • Ação coletiva

    250.000 signatários

    Aja, além da petição, por meio de ação legal. Empurre os oponentes para suas contradições para ganhar o caso contra a opacidade das informações.

    Dos 250.000 signatários da petição, ação coletiva será oferecida aos peticionários que desejarem, especialmente se a administração europeia não jogou o jogo da transparência.

    Ao abrir a ação, cada peticionário terá a oportunidade de escolher entre:

    1. Permanecer como simples signatário da petição (gratuito);
    2. Ou registre-se para ação coletiva para transparência da vacina Covid-19 (com contribuição),
      e, opcionalmente, agir contra o passe de saúde ou mesmo a obrigação de vacinação (com uma contribuição adicional) que a Europa pretende introduzir.

  • Inteligência coletiva

    500.000 signatários

    No caso da Tobacco Papers, os fabricantes de cigarros foram obrigados a divulgar 80 milhões de páginas de documentos. Com o trabalho dos acadêmicos, essa montanha de informações se transformou em evidência a serviço do bem comum.

    Para não ficarmos sobrecarregados com a massa de documentos, iremos propor 500.000 peticionários para quaisquer documentos obtidos para compartilhá-los com a comunidade científica internacional.

    Na Covid-19, a ANSM (Agência de Segurança Nacional de Medicamentos, em França) declarou que o processo para uma única vacina representava « o equivalente a 33 toneladas e centenas de milhares de páginas ».

  • Iniciativa de Cidadania Europeia

    1.000.000 de signatários

    A vacinação é apenas um caminho e outras formas de controle de doenças, incluindo tratamento, incluindo medicamentos genéricos, não devem ser descartadas.

    Vamos propor o lançamento de uma Iniciativa de Cidadania Europeia, a fim de impor um duplo imperativo à Comissão Europeia:

    • Por um lado, o acesso justo a todos os tratamentos comprovados entre os países membros da UE,
    • Por outro lado, ofereça a garantia de que não haverá obrigação de vacinação com a Covid-19.

    Este equilíbrio objetivos os objectivos europeus de respeito pela dignidade humana, liberdade, democracia, igualdade, do Estado de direito, bem como o respeito pelos direitos humanos (artigo 2 do Tratado da União Europeia).

L'annuaire du collectif


Advogados


Arnaud DURAND

Arnaud DURAND

Advogado na Ordem dos Advogados de Paris, Major 2013 na Universidade Panthéon-Assas.
Advogado de patentes, ele também intervém em defesa de vítimas de danos relacionados às ondas eletromagnéticas.

Jade DOUSSELIN
Porte-parole

Jade DOUSSELIN

Avocate au Barreau de Paris et diplômée en droit pénal et sciences criminelles, elle intervient sur des affaires sensibles comme le lait contaminé “Lactalis” et en matière de libertés publiques sur l'espionnage “Pegasus”.

Laila NAJJARI
Membre

Laila NAJJARI

Avocate au Barreau d'Agen, elle est spécialisée en réparation du dommage corporel. Elle intervient en matières d'accidents de vaccination et produits de santé défectueux .

Nancy Risacher
Membre

Nancy RISACHER

Avocate au Barreau d’Epinal depuis 20 ans et Docteur en Droit, elle agit principalement en droit du travail. Elle entend lutter contre le pass sanitaire au vu de ses répercussions sur chaque citoyen au plan professionnel.

Géraldine Adraï-Lachkar
Membre

Géraldine ADRAÏ-LACHKAR

Avocate au barreau de Marseille,
diplômée en droit de la santé à l'Université d’Aix-en-Provence, elle a développé une compétence particulière en dommage corporel.

Maxellende de la Bouillerie
Membre

Maxellende DE LA BOUILLERIE

Avocate au Barreau de Versailles, elle enseigne le métier d'avocat à l'Ecole de Formation du Barreau de Paris. Elle intervient en droit privé général (droit de la famille, des successions et droit du travail).

Marc Theisen
Membre

Marc THEISEN

Avocat au barreau de Luxembourg,
diplômé de l’Université de Bruxelles
et fort d’une expérience de 35 ans
en droit civil et en
droit du sport.

Jean-François Reynaud
Membre

Jean-François REYNAUD

Avocat au Barreau de Montpellier depuis plus de quarante ans, Docteur en droit, spécialiste en droit commercial et du travail, il intervient aussi beaucoup en droit de la famille.

Florence BESSY
Membre

Florence BESSY

Avocate au Barreau d'Agen, elle est spécialisée en réparation du dommage corporel. Elle intervient en matières d'accidents de vaccination et produits de santé défectueux .

Avocat
Avocat

****** ******

Quer aderir ao consórcio multidisciplinar “déjà-vu”?
Somos a favor do desenvolvimento de uma estratégia comum. Contate-nos para discutir isso.